sexta-feira, 23 de novembro de 2012


Olhos que choram


A concha apanhada pelas  mão pequena, morena...
Junto à areia, na beira do mar
Mar imenso que separa
Os estranhos seres que ainda não Aprenderam a amar.
Estende-se as mãos...
E é colocada nela,  pelas mãos pequeninas, a concha- cor-de-rosa 
Que será  levada à alguém 
Num lugar distante.
A avó, que há tanto tempo 
Não vê e abraço o seu neto
Também estende-se as mãos 
Que recebe o presente...
A concha cor- de -rosa
 Agora vista, por olhos que choram.
Ana Lima