domingo, 4 de novembro de 2012




Duas metades de mim

Duas metades de mim
Que juntando formam uma,
Sem diferença alguma.
Ele, minha primeira emoção de mãe
Chegou com a cabeça amassada
E eu não entendendo nada
Chegou chorando muito de dor
Mas assim que lhe puseram
No meu colo o choro se calou
Olhava tudo com olhos de céu
Curiosidade das primeiras coisas que avistou
Pele macia e branquinha cabelos quase não tinha

O segundo chegou mais tranqüilo
Chorou pouco e logo puseram-lhe no meu colo
Tinha cabelos pretos e olhos de mar aberto
Sorriu pra mim segurou-me o dedo
Como quem não quer nada
Procurou o meu seio
Sorri e agradeci, como o primeiro
Também eras perfeito

Hoje crescem à minha volta
São dois tesouros que tenho
Filhos de Deus
Filhos do meu ventre
Filhos do mundo

Ana Lima