terça-feira, 19 de agosto de 2014

O medo.

O meu medo , é perceber que nada sei... do que eu achava que sabia; Medo...
O meu escudo de proteção. Mas me proteger do que? Sim, me protejo...
A porta se abre, a  madrugada escura e  fria...O perfume é de mato
Trazido pelo  vento,  que  chega junto ao uivo do lobo.
Mas onde está a lua cheia? Ela já se foi, responde a criança no interior da escuridão.
Então...Embalo a criança inocente , tem medo não? Pergunto a ela
Ela me responde: Medo? Tenho não, meu cãozinho está chegando, ele está vindo de  longe
Você não ouvir o  latido? Ele vai nos proteger .
Latido? Que latido? Só ouvi os uivos dos lobos , e agora sei, que já são muitos, respondi à ela.
Crianças!!! Como são inocentes, não tem medo, não vê... não senti.
Talvez  quem sabe... sentiras o medo chegando , quando o amor lhe faltar
E áspero  o chão ficar  ao pisar...
A criança responde: Não existe chão áspero , para quem não tem medo e vive na luz.


Não existe a falta da bicicleta velha – na estrada de terra, que ficou sozinha abandonada? 



"Se olharmos para trás, saberemos que muitas coisas ficaram, mas se não deixarmos... não enxergaremos uma nova estrada de asfalto" 
Ana Lima.