terça-feira, 9 de junho de 2015

Viagem




Era domingo de sol, passei mal, sozinha na cozinha.
Pressão baixa, disse-me o farmacêutico.
É só tomar uma taça de vinho e comer algo salgado,
Que basta.

Viajei na maionese, comi muito bacalhau, sem tirar
O sal, tomei muito vinho, fiquei legal, mas também,
Muito mal, entrei na contra-mão, com dor no coração.

Senti o balanço do chapéu mexicano, eu lá gritando,
Como palhaça com a cara pintada, descendo correndo,
Ladeira  fugindo do ladrão, que  na mão trazia  uma
Espada e uma vala perfumada.

Deparei-me num quarto escuro, revelando minha foto-
Grafias, numa sorria como se a vida fosse só alegria, na
Outra... rosto de desgosto, olhando pássaro na gaiola ,
Querendo um minuto de liberdade, eu... a eternidade!!!

Foi quando percebi uma luz imensa, um campo suave
E macio, mamãe trazendo-me flores dourada, senti-me
Leve, livre, aliviada, foi percebi que morri
De pressão alta.



 Ana
 Lima.